Você sabe o que capacitismo?

Talvez esse termo seja novidade para você, mas representa uma situação que infelizmente ainda é recorrente na nossa sociedade.

De acordo com o blog HandTalk “O capacitismo significa a discriminação de pessoas com deficiência, sua tradução para o inglês é ableism. O termo é pautado na construção social de um corpo padrão perfeito denominado como “normal” e da subestimação da capacidade e aptidão de pessoas em virtude de suas deficiências.”

A discriminação acontece de forma velada, supervalorizar uma pessoa só pelo fato dela ter deficiência, ou por realizar tarefas cotidianas e simples configura capacitismo.

Em outras palavras, frases como “É inacreditável como você pode fazer isso!” “Mas como você consegue?”, “Pensei que seria incapaz”, “todos nós temos alguma deficiência”, “Você trabalha? Nossa, meus parabéns!” configuram capacitismo.

De acordo com a lei brasileira de inclusão, quando é explícito, na intenção de excluir, afastar, ofender, invisibilizar ou depreciar uma pessoa com deficiência, o ato configura crime discriminatório, e prevê de 1 a 3 anos de reclusão.

O que não fazer:

  • Lidar com a pessoa com deficiência como se ela fosse uma coitada, ou necessitasse de um conserto. Achar que ela é merecedora de pena;
  • Criar uma visão de que a PCD não sente raiva, tristeza, frustração etc;
  • Infantilizar a pessoa com deficiência;
  • Tratar a pessoa com deficiência como um herói, como se o mundo não fosse feito para ela e que ela é muito corajosa de sobreviver. Nesse caso, o problema de assumir essa posição é que isso afirma que quem é a peça sobrando é a PCD, sendo que o incorreto são os espaços públicos, pois só foram projetados para o uso de pessoas de corpo e atitudes “padrão”.
  • Presumir que você sabe o que alguém precisa;
  • Falar em nome de alguém com deficiência, a menos que ela peça explicitamente;
  • Tocar uma pessoa com deficiência ou seu equipamento de mobilidade sem consentimento;
  • Fazer perguntas invasivas.

 

O que fazer para combater:

  • Compartilhar conhecimento sobre o assunto é muito importante!
  • Muita gente não sabe o que é, informar e esclarecer também é uma forma de combate.

Sites de apoio: Blog HandTalk, accessliving.org, talentoincluir.org.br